sexta-feira, 26 de setembro de 2008

DÚVIDAS LINGUÍSTICAS


Enquanto à minha frente a figurinha gesticulava, falava, falava, falava sem parar com um voz estridente daquelas que irritam os mortos, sobre os filhos, espeerrrtíssimos, sobre o carro topo de gama, sobre as férias, sobre como era especial magnética melhor.

Grande castigo para um fim de tarde de um dia difícil, eu só queria beber um café, por isso parei na pastelaria onde fui mortalmente tomada de assalto pela rainha das colas

Passados longos e torturantes minutos lá entrei naquela derradeira fase do aborrecimento, já superada a crescente vontade de a mandar calar e em que Graças aos Céus deixamos de ouvir.

Olho em frente, sorrindo sempre um sorriso daqueles postiços e já só vejo a fila de dentes arreganhados em sorriso que teima em não se desfazer e os braços que gesticulam, gesticulam sem parar.

Já não ouço a voz, estridente, irritante, consigo desligar o meu botão interior, silêncio absoluto, maravilha, só o bater do meu coração e o ritmo, agora mais calmo da minha própria respiração, acalmo-me.

De repente, oiço a minha voz, a que não domino, a interior gritar:

- Manda-me essa fulana à merda, que falta de paciência, espera, será que é à merda ou para a merda?


11 comentários:

Gi disse...

Eu tenho uma pessoa, que vem ao meu escritório, de vez em quando, e que, também, me toma de assalto.
Também tenho a mesma reacção, menos na tua parte final.
Acho que ela precisa mesmo de falar, mesmo que para mim os assuntos não interessem, mas ela sente-se mais viva, mais bem disposta e, olha, se calhar há quem sinta o mesmo em relação a mim eu não me aperceba.
Eu hoje estou para amar, como já viste. :)

Thunderlady disse...

Tita, também fiquei com a mesma dúvida. Assim de repente eu diria "vai à merda" mas com a dúvida aqui tão explanada não sei, agora baralháste-me!

Vou ver exemples de outros sítios:
- vai para o Japão
- vai à França
...

Olha, assim de repente eu diria que a dúvida está em quereres que ela volte ou não. Se não quiseres ela que vá "para".

Mas olha, opta pelo mais simples "xiiiii, tenho MESMO que me ir embora...!"


Bj




(ou então manda-a logo para o sítio e pronto, acabou.)


(Olha, não sei!)

pensamentosametro disse...

Gi,

A pessoa em questão precisa muito de falar, sobretudo dela e mais ainda dos outros, conheço-a bem e sei que não precisa de consolo, precisava era de quem lhe desse uma liçãozita de humildade, mas eu não estou para aí virada que filhos já eduquei dois, fora sobrinhos e afilhados.

Se as pessoas sentem ou não o mesmo em relação a ti, não sei, não te conheço o suficiente.

Quanto à parte final em que diverges de mim, tens toda a razão, não deveria ter recorrido ao facilitismo do palavrão, mas há pessoas que não merecem mesmo outra direcção de pensamento.


Bjos


Tita

pensamentosametro disse...

Thunderlady,

A pergunta que me formulei foi por simples "descargo de consciência", não importa para onde e como se mande esta insecta ela volta, volta sempre para nos torturar a paciência, pelo simples facto de que se adora ouvir.


Bjos


Tita

Opinador disse...

ahahah! Ela que vá "para" e que fique por lá, que ninguém precisa que ela vá à merda e traga uma carrada dela ahahah.
Pelo menos eu, quando vou às compras não vou "para as compras" ahahah...

pensamentosametro disse...

Opinador,

Questão resolvida, nunca tinho pensado na coisa por esse prisma, safa...


Bjos


Tita

O Profeta disse...

Olhos brilhantes maré tardia
Cabelos rebeldes em desalinho
Pés descalços no, frio barro
Um berlinde atirado ao caminho

Um bando de alegres pardais
Ou um domador de tempestades
Apenas um pássaro charlatão
Dividindo o pão em metades


Vem mergulhar nas águas do sonho de capitão do Calhau


Bom fim de semana



Mágico beijo

Mr X disse...

Para e à servem o objectivo!

medusa disse...

Desde que ela vá, é indiferente!!!

sonhador disse...

e uma junção das dias coisas?

beijos.

Ovinho Estrelado disse...

"Vai à merda" soa pior!! Só por isso, é a minha eleita!

VAI À MERDAAAAAAAA!!

(Não era para ti... Só estava a experimentar!!)

ehehehhehe