quinta-feira, 25 de setembro de 2008

ONTEM



Com intenção de ofender, não conhecesse eu a peça de cor e salteado.

Fez-me alguém o maior dos elogios quando peremptória afirmou: - O tempo passa e tu continuas completamente simples, demasiado simples.

Enquanto me deitava a mirada clássica denominado de alto a baixo.
Obrigada M.A., nunca ninguém é demasiado simples, por fora, muito menos por dentro.

As palavras que cuspiste como insulto, com esse ar de quem vai vomitar o almoço de há quinze dias que te é tão característico, souberam-me pela vida, reafirmaram a minha certeza de que o caminho é este, que ainda não me perdi de mim.

7 comentários:

Thunderlady disse...

a sensação que tiveste deve ser semelhante às que tenho quando me dizem algumas coisas. O que era suposto fazer-me abanar, esmorecer e ir pensar que botas lamber a seguir faz-me antes sentir uma lufada de ar fresco e que o caminho é esse. Se continuo a incomodar então vou no bom caminho.

Às vezes as pessoas dizem as coisas pensando em chocar ou desgostar os outros e não fazem a mínima das ideias que estão a servir de barómetro para as metas a atingir.

Bom dia Tita, tem um dia bom, hoje nada de distracções que o dia vai ser curto!

BJ

sonhador disse...

gente assim, cara Ti(t)a, não merece resposta.
só desprezo.

beijos.

Rufino Fino Filho disse...

Grande bofetada de luva branca!
Abraço
Rufino

Mr X disse...

Eu também sou demasiado simples. As pessoas é que me complicam.

Ana Oliveira disse...

Assim tipo "cara de mete nojo?"
Ainda bem que há gente assim para nos deixar mais certas de estarmos "certas".

Beijos

Ana

Pepper disse...

Simples...

Nem te dês ao trabalho de responder!

hollygang disse...

Verdade, grande elogio...