segunda-feira, 7 de abril de 2008

NEM TUDO SÃO ROSAS........





Fartinhos como já devem estar de me ouvirem enaltecer as maravilhas de viver no campo, hoje venho aqui confessar-vos que nem tudo são rosas.


Não, não é uma súbita mudança de opinião acerca das enormes vantagens que continuo a reconhecer, é mais por conta de acordar sobressaltada por uma salva interminável de morteiros, pensava até ter sido raptada e transportada para o Iraque ou afins, seguida da banda aqui da vila que estridentemente atacava um "passo doble", pontuado por um foguete a cada 5 passos dos músicos, ora contas feitas isto dá uma quantidade apreciável de "foguetada", considerando que vivo na rua principal tive direito a duas passagens da banda e isto tudo antes das 9 da manhã de Domingo.




Tendo a já descrita ruidosa manifestação continuado dia fora à razão de um foguete a cada, mais ou menos 5 minutos, ainda hoje não sei a propósito de quê o "foguetório" e o "bandório", só sei que nem tudo é perfeito, mesmo aqui, no "país das maravilhas" .


Contudo e de certeza que muito em breve alguém de uma qualquer comissão de qualquer festa em honra disto ou daquilo me virá bater à porta solicitando a respectiva contribuição e iluminar a minha ignorância sobre os ritmos festivos da terra, bem como das minhas obrigações de moradora que isto de ter "morteirada" ao domicílio tem os seus custos pois então.




6 comentários:

Mim disse...

Eu não ia achar muita piada a acordarem-me assim, não ia não. Logo por aí, wuando me viessem pedir dinheiro eu ia dizer que não dava porue me acordaram e eu não gosto disso. Pois. Mau feito, já se sabe...

:)

Bom dia apesar da chuva e do vento!

pevide disse...

Eu não vivo no campo, mas a 2 minutos a pé do centro da cidade, e também me acontece o mesmo. Em Setembro é uma semana inteira a acordar ao som de Quim Barreiros e Toy (o pessoal simpático da comissão - que não tem mais nada para fazer da vida - coloca gentilmente colunas ao longo da rua, para que todos os moradores possam partilhar a sua euforia).
Durante a semana não há stress, fora quando se lembram de montar um palco para receber grupos de música pimba que tocam a passar da meia-noite... e quando algumas almas mais devotas entram em transe alcoólico e confundem pessoas com bicicletas...

pensamentosametro disse...

Mim,

Pois é, é o reverso da medalha, não se pode ter tudo bom...

Bjos

Tita

Pevides,

Toca a todos, mas Q.B não, pleeeease, fiquei muito traumatizada.
Logo eu que não acredito em traumas.


Bjos

Tita

sonhador disse...

Ó minha cara Senhora.
Viver no campo, sem a grande poluição e a confusão da cidade, é das melhores coisas que pode haver.

Viva e respira esse ar maravilhoso.

Beijos.

pensamentosametro disse...

Sonhador,

Claro que é mas ese fim-de-semana há mais do mesmo, se quiseres vir partilhar deste doce despertar, estás á contade.

Bjos

Tita

gaia disse...

pior que a minha infância não foi, garanto-te!!!

eu morava na cidade (mais ou menos) e na rua da frente era a junta de freguesia. a cor era assim para o vermelho, muito vermelho, e quase no fim do mês de abril, advinha, advinha... pois é: megafones na rua e a grandola morena em continuous play!!!!!