quinta-feira, 17 de abril de 2008

CARJACKING


A começar, quero deixar os meus votos de sinceras melhoras ao sr. agente da judiciária baleado à porta de casa, vítima de carjacking, tenho tendência a brincar com coisas sérias mas desta vez , não o vou fazer tal a indignação que sinto que ainda não consegui fechar a boca, desde ontem à noite, correndo o risco de provocar uma lesão maxilar permanente.

Como mulher que faz milhares de quilómetros sozinha e conduz, fora de portas, uma viatura que corresponde às exigências dos amáveis senhores carjackers, considero de grande utilidade a entrevista transmitida ontem pelo canal 1, em que um desses senhores nos explicou , com detalhes o que devemos fazer para lhes entregarmos o nosso carrinho que pagámos e tudo com mais ou menos sacrifício, inteirinho e com boas maneiras se não quisermos que nos torçam um bracinho ou nos dêem um tirito só para não sermos teimosas. Segundo o tal senhor "especialista" os homens são mais desprendidos e entregam os carritos sem refilar.

Podem chamar-me o que quiserem, tacanha, de vistas estreitas o que for, só que me faz uma impressão danada como é que um marginal confesso, responde com a maior calma do mundo durante para aí uma boa meia hora a todas as perguntas da jornalista, detalhadamente , chegando mesmo a admitir que já perdeu a conta a quantos assaltos fez até hoje utilizando este método e que as viaturas assim roubadas, normalmente servem para perpetuar outros , nomeadamente a caixas ATM, ou então estamos perante roubos encomendados em que num máximo de 3 dias a viatura estará a caminho das mãos do "novo proprietário" . Admitiu até, valha-nos isso, "reformar-se" quando tiver junto o dinheiro suficiente para levar uma vida normal o que vai acontecer dia de S. Nunca à Tarde..., mas adiante, para além de não compreender a necessidade de levar à televisão um marginal que pouco depois sairia impune pela porta grande, também não percebo a necessidade do dito "profissional", ter mantido na mão durante todo o tempo de duração da entrevista, ostensivamente, tendo até sido praticamente o único ponto focado pela câmara, uma pistola, uma arma ilegal até porque no entender de quem sabe é arma do tipo que não pode ser legalizada para uso privado e que ele considera apenas utilizar contra a polícia, conforme afirmou claramente.

Considero um absurdo que tal entrevista tenha ocorrido à revelia das autoridades policiais, não sei que tipo de garantias os senhores jornalistas estão em condições de oferecer a estes meliantes e porque estão, estamos perante um caso de polícia de uma assaltante que amanhã pode, perfeitamente estar a apontar-nos uma arma à cabeça em um qualquer parque de estacionamento ou à porta de nossa casa. Será que não vão haver consequências? Será que as nossas polícias andam mesmo, como parece, a dormir?

Remontemos ao caso Mário Machado , líder da Frente Nacional, que dias após ter mostrado o "arsenal" que tinha em casa foi detido, estando neste momento a iniciarem-se as primeiras sessões do julgamento, será que foi preciso a polícia ver a panóplia de guerra que o Mário Machado detinha, "escarrapachada" nos écrans de televisão para actuar? Que vai a polícia fazer em relação a este "profissional" do crime que ontem nos brindou com toda a sua expertize no métier.?

Será que o caso Mário Machado por ter outras implicações, por ser mais mediático foi tratado com mais zelo? Não posso concordar com as armas e a violência, como também não concordo que o mesmo Mário Machado esteja a ser julgado por uma questão ideológica, razão que se mantém velada mas que no entanto está lá, o direito de cada um à sua ideologia por mais que não concordemos com ela, mas este é assunto para outras conversas.

Só vos digo uma coisa, vou esperar para ver, ver o que acontece ao entrevistado e ver se os srs. jornalistas não são minimamente "incomodados", pelas autoridades, porque se olharmos as coisas de frente, está ou não a ser protegida a identidade de um ladrão confesso? Está ou não a ser-lhe dada impunidade?

11 comentários:

Flávio disse...

E com o que se disse e o que disseste é cada vez maior a sensação que vivemos num país de 3º mundo com manias de 1º.

Gi disse...

Eh pá tu hoje estás looooooooooooooonga!

pensamentosametro disse...

Flávio,
De 3º mundo porque não há 4º!

Gi,

há assuntos que não se podem , nem quero tratar com ligeireza

Bjos

Tita

Pulha Garcia disse...

O mais grave é a publicidade à profissão de carjacker. Está no desemprego? Não gosta do chefe e quer ganhar mais uns tostões? Arranje uma arma de fogo e escolha um sinal à maneira...

Polícias e professores são das profissões em Portugal que mais valorizo.

Thunderlady disse...

...

pensamentosametro disse...

Pulha Garcia,

A publicidade impune, vamos lá fazer uma peça com um assunto actual para a rrebitar as audiências, pois carjacking está na moda, bora lá.

P.Garcia, eu valorizo todas as profissões mas tens razão quanto aos polícias e professores, mas vamos guardar aqui e ali umas coisinhas para a próxima...

Thunderlady

:)

Bjos

Tita

Jedi Master Atomic disse...

CarJack não é aquela coisa onde se ligam os fones no carro ? LOL

sonhador disse...

isto anda tão mau que eu duvido que, alguma vez, se endireite.

M disse...

Eu pensei a mesma coisa que tu! Como é possivel um criminoso vir á televisão confessar os crimes que cometeu e pelos quais é procurado e não ser apanhado?! Eu sei que da parte dos jornalistas, há o sigilo e a protecção das suas fontes, mas até que ponto? Será que se ele confessasse um assassinato, também se mantinha impune?! Se é que já não o cometeu... de certeza que pelo menos, agressões físicas já houve... o que é que é necessário mais acontecer?? Infelizmente esta noção de impunidade, só leva a que as pessoas vivam em permanente terror o que leva a outras situações... eu por exemplo já assisti a um "carjacking" e nesse dia decidi não voltar a ajudar ninguém no meio da estrada, especialmente á noite, pois nunca se sabe se é uma armadilha...

Anónimo disse...

PERPETUAR? Ó minha estúpida, querias dizer PERPETRAR!

Ó amiga, bota ignorância nisso! Já me fartei de rir. As senhoras que te deram o prémio do blog mal escrevido nem sonhavam. És mesmo uma nódoa.

Anónimo disse...

E as vírgulas, ai meu Deus, as vírgulas! Esta criatura não sabe nem suspeita o que é uma escrita correcta. Contudo, dá-se ares o tempo todo. Patética.